Edição digital
PUB
Media

1991 – 2024. O que é que se passou na Global Media?

Está aberta uma nova era. A assembleia geral realizada a 19 de fevereiro, por convocatória dos acionistas minoritários José Pedro Soeiro e Kevin Ho, dá novo fôlego às publicações do […]

Cristina Dias Neves
Media

1991 – 2024. O que é que se passou na Global Media?

Está aberta uma nova era. A assembleia geral realizada a 19 de fevereiro, por convocatória dos acionistas minoritários José Pedro Soeiro e Kevin Ho, dá novo fôlego às publicações do […]

Sobre o autor
Cristina Dias Neves
Artigos relacionados
Dentsu Creative ganha Bronze e 3 distinções de mérito com The Forgotten Team no The One Show (com vídeo)
Publicidade
FunnyHow cria filme da Betclic que entrega troféu de campeão ao Sporting
Publicidade
Hisense associa-se a Iker Casillas em campanha global
Publicidade
Manuel Geraldes é o novo corresponsável de digital e novos projetos da Media Nove
Media
Louis Vuitton aposta em Rafael Nadal e Roger Federer para campanha fotografada por Annie Leibovitz
Publicidade
Martin Scorsese volta a realizar filme publicitário do Bleu de Chanel 14 anos depois (com vídeo)
Publicidade
Akt reforça equipa com ambição de duplicar faturação
Comunicação
Audiências: Big Brother lidera ranking global de programação
Media
Rosebud assina campanha da Sport Zone que celebra regresso do calor (com vídeos)
Publicidade
Aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas com luz verde da ERC
Media

Está aberta uma nova era. A assembleia geral realizada a 19 de fevereiro, por convocatória dos acionistas minoritários José Pedro Soeiro e Kevin Ho, dá novo fôlego às publicações do Global Media Group. É nomeada uma nova administração após a demissão dos administradores executivos indicados pelo acionista maioritário World Opportunity Fund e aberta a porta para a reorganização dos títulos.

A TSF, o Jornal de Notícias (JN) e O Jogo, bem como as publicações JN História, Notícias Magazine, Evasões e Volta ao Mundo ficam apalavradas para um novo grupo de investidores, constituído por Diogo Freitas, da OfficeFood Brands, empresa sediada em Ponte de Lima que se dedica à fabricação e distribuição alimentar, e mais três entidades: o Grupo Parsoc e o Grupo Ilíria, que têm em comum o estarem no negócio da distribuição de tabaco, e a empresa Mesosystems, que atua na área da cosmética. Os históricos Diário de Notícias (DN) e Açoriano Oriental mantêm-se sob gestão direta do Global Media Group (GMG), cujos sócios são Marco Galinha, José Pedro Soeiro, Kevin Ho e António Mendes Ferreira.

PUB

De saída está o mais recente acionista, o polémico World Opportunity Fund (WOF). Os termos e os valores em que esta saída acontece não são ainda conhecidos, mas certo é que também nunca foram divulgados os termos e os valores da sua entrada.

Entretanto, Domingos de Andrade, antigo diretor do Jornal de Notícias foi indicado para diretor-geral dos títulos que passam para as mãos do grupo de empresários do Norte, liderado pela OfficeFood Brands. Também a Global Media escolheu um novo presidente executivo, Vitor Coutinho, um antigo padre que foi vice-reitor do Santuário de Fátima. Entraram também novos elementos para a administração: Diogo Queiroz de Andrade, que estava no Observador, e Rui Rodrigues, um gestor comercial da área dos media que é atualmente sócio da Spectacolor, a empresa que explora a publicidade das caixas Multibanco.

O Meios & Publicidade apurou que o objetivo é a Global Media manter uma quota de 30% na nova sociedade constituída pelo grupo de novos acionistas do JN. A ideia é conseguir explorar as sinergias que existem entre as publicações do grupo. Assim, se tudo correr de feição para a nova administração do GMG, já justificaria dar um novo nome à empresa.

O grupo que Joaquim Oliveira comprou por 300 milhões de euros à Portugal Telecom (PT) pouco ou nada tem a ver com o que é agora. Se a quota de 40% que Marco Galinha adquiriu em 2020 for valorizada pelo montante que consta que tenha despendido na sua aquisição (cerca de 10 milhões de euros, dos quais 6 milhões em injeções de capital fresco), poderá querer dizer que, em setembro de 2020, o grupo valeria uns 25 milhões de euros, apenas 8% do que era 15 anos antes.

Tendo em consideração tudo o que se tem vindo a passar no universo dos media nestes últimos anos, não se estranha que tenha acontecido uma grande desvalorização, mas justifica-se uma perda tão significativa de valor? Embora o grupo não tenha já no seu portfólio dois valiosos edifícios históricos, as sedes do Jornal de Notícias no Porto e do Diário de Notícias em Lisboa, avaliadas em 2015 em 40 milhões de euros, ainda possui uma quota bastante significativa na agência de notícias Lusa, bem como na distribuidora Vasp.

Afinal de contas, o que se passou? Como foi possível que uma empresa detentora de títulos tão fortes e prestigiados no panorama português tenha chegado a esta situação? E já depois de ter sido sangrada por três camadas de despedimentos coletivos, um ainda na Controlinveste, outro, na era dos capitais da lusofonia e, por fim, um terceiro, no consulado de Marco Galinha.

A génese do grupo Lusomundo / PT Multimedia

Não querendo recuar a meados do século XIX, quando, em 1864, o Diário de Notícias foi criado, assinalamos a data e damos um salto do tamanho de um século para lembrar como é que este título histórico foi parar à esfera da Portugal Telecom.

Quando no final da década de 1990, o Governo lançou o programa de (re)privatizações em Portugal, o tenente-coronel Luís Silva, patrão da Lusomundo e detentor de uma fortuna considerável por conta dos direitos de transmissão das principais majors norte-americanas, viu a possibilidade de adquirir alguns títulos nacionalizados no 25 de Abril, como uma oportunidade para diversificar o negócio. Assim, em 1991 comprou os jornais Diário de Notícias e Jornal de Notícias, lançando a génese do atual grupo de media.

Apesar de, na altura, haver alguma perda de brilho dos históricos títulos, fruto sobretudo da animada concorrência que emergia — O Independente, fundado em 1988, teve os anos de ouro ao longo da década de 1990 e o diário Público chegou às bancas em março de 1990 — a verdade é que o Diário de Notícias continuava a ser o jornal de referência de Lisboa e das suas elites, lugar que assumiu totalmente após a extinção do O Século e. posteriormente, do Diário de Lisboa. Na eterna cidade invicta, o Jornal de Notícias mantinha a sua senda de jornal popular, chegando várias vezes a atingir o primeiro lugar do ranking dos mais vendidos em Portugal.

Mas a era da Lusomundo Media chegou ao fim. Em 2000, o coronel Luís Silva decidiu vender os negócios e os títulos à PT Multimédia, que, recorde-se, herdou os ativos da extinta TV Cabo, que resultou, mais tarde, após imposição da Autoridade da Concorrência, numa nova operadora, a ZON, atualmente NOS. O racional que estava por detrás deste negócio era reunir os conteúdos da Lusomundo Media à infraestrutura que a PT Multimédia tinha montado para, desta forma, criar uma oferta de valor aos subscritores do cabo. Para uma empresa que tinha como objetivo criar valor acrescentado aos seus subscritores através dos conteúdos, a Lusomundo Media era de facto apetecível.

O princípio fazia sentido. Aliás, parte do plano foi concretizado. Ainda hoje, a NOS que, recorde-se, surgiu da PT Multimédia, detém uma quota de mais de 60% do mercado nos cinemas, para não falar das comunicações e media, onde detém uma quota de 30% a 40 %, dependendo do serviço prestado.

Relativamente aos jornais e outros meios de comunicação, que, entretanto, se juntaram ao grupo, cedo a PT percebeu que gerir jornais era uma dor de cabeça. Não havia vocação interna para assumir um negócio tão característico como o dos media e, por outro lado, a ideia de que a gestão poderia ter alguma influência nos conteúdos depressa foi descartada. Seja como for, foi uma época com uma certa estabilidade em que o diretor, Mário Bettencourt Resendes, representava o Diário de Notícias (entre 1993 e 2004) junto das altas instâncias lisboetas, e Frederico Martins Mendes assegurava bem o Jornal de Notícias, no Porto.

Entrada da Controlinveste

Estamos em 2005. A Portugal Telecom, liderada por Miguel Horta e Costa, vende o negócio de media, por 300 milhões de euros, a Joaquim de Oliveira, dono da Olivedesportos, empresa concessionária da publicidade nos jogos de futebol da Primeira Liga. Joaquim de Oliveira, tal como o seu irmão António Oliveira, treinador de futebol, é um conhecido empresário do norte de Portugal, detentor de uma fortuna oriunda da negociação de direitos de transmissão futebolísticos. Ainda hoje, Joaquim Oliveira detém interesses na Sport TV. Na altura, o negócio foi bastante comentado. Não se percebia porque estava um empresário do futebol interessado no negócio da comunicação social, até porque já se anteviam problemas no setor. E sabia-se que o empresário do futebol tinha contraído uma dívida importante para adquirir títulos muito fortes, mas que nem à PT, à época ainda com golden share do Estado, servia. Além disso, o título com mais impacto na capital já mostrava sinais de forte instabilidade, o diretor do Diário de Notícias tinha saído pouco antes, tendo sido difícil encontrar alguém para o lugar. Entre 2004 e 2007, ocuparam o posto nada menos do que seis diretores, dois dos quais interinos, à média de seis meses no posto. O Jornal de Notícias não teve a vida tão difícil. Leite Pereira manteve-se no posto entre 2005 e 2011. Aliás é de justiça referir que o Jornal de Notícias é, até hoje, a joia da coroa comercial grupo.

Mal ou bem, o certo é que no DN, a direção só voltou a estabilizar quando João Marcelino ocupou o lugar, entre 2007 e 2014. Estabilizou, mas não o suficiente para recuperar o brilho do passado. Na era de Marcelino, talvez à imagem dos jornais de onde vinha, o Correio da Manhã e anteriormente o Record, o Diário de Notícias optou por uma abordagem mais rápida e simples da atualidade, procurando novos leitores num segmento menos tradicional. Não perdeu leitores, mas também não os recuperou.

De lembrar que 2009 foi um ano de recessão para toda a imprensa, tal como 2012, pelo que a recuperação do jornal esteve sempre adiada. Os negócios da Olivedesportos também não correram de feição, com o aparecimento de outros players no mercado. Nesses anos, o grupo Controlinveste endividou-se cada vez mais.

O Período Lusófono Eixo Angola – Macau

No final de 2013, a chegada de novos rostos ao grupo editorial reveste-se de pompa e circunstância. Acredita-se num recomeço. No capital da Controlinveste entram novos sócios, aliviando Joaquim de Oliveira que, entretanto, via a fortuna a começar a esvair-se no pagamento de dívidas. O angolano António Mosquito, homem ligado à petrolífera angolana Sonangol, com interesses vários em Portugal, com destaque para uma participação na construtora Soares da Costa, novo protagonista a entrar em cena, passa, então, a controlar 27,5% do grupo, a mesma porção de capital mantém Joaquim de Oliveira. Como acionista estreia-se também Luís Montez, o conhecido empresário da rádio e dos espetáculos, que assume 15% do capital, bem como os bancos BES e BCP, cada um com 15%, por conta da dívida de Oliveira.

Para gerir a empresa são contratados Victor Ribeiro, gestor saído do grupo Amorim, e José Carlos Lourenço, vindo do grupo Impresa onde exercia funções de administrador executivo para a área comercial. A presidência da empresa é entregue ao conhecido advogado Daniel Proença de Carvalho. E é esta equipa de luxo que anuncia uma forte reestruturação do grupo, a começar pelo nome que passa a chamar-se Global Media Group, uma alusão às suas ambições internacionais. A estratégia anunciada passava por uma internacionalização da marca no espaço lusófono, otimizando o negócio sobre a língua portuguesa.

Com este desígnio em mente, é realizada uma reestruturação bastante significativa dos principais títulos, que inclui a entrada de novos diretores: André Macedo para o Diário de Notícias e Afonso Camões para o Jornal de Notícias. Segue-se o redimensionamento e um novo layout dos jornais, o lançamento de uma nova grelha na TSF e o reforço das equipas de marketing e digital do grupo. Tudo isso enquanto se efetiva um processo de despedimento coletivo que leva à saída de mais de 200 pessoas e a um emagrecimento geral da estrutura operacional.

Em entrevista ao Meios & Publicidade, José Carlos Lourenço explica, nessa altura, que, após a reestruturação do grupo, tenciona ter as contas equilibradas em 2015. Mal ou bem, o certo é que o Global Media Group, que tinha um EBITDA [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] negativo de 8 milhões em 2014, conseguiu gerar um EBITDA positivo de 186 mil euros.

Pode dizer-se que 2016 foi de consolidação da estratégia do grupo. Foram várias as iniciativas postas em marca, como o lançamento de uma área de branded content e a aposta em grande no digital. Viveu-se um clima de muito dinamismo na área dos eventos com parcerias com grandes anunciantes, como o Continente e o Millenium BCP, pela mão do conhecido diretor comercial Luís Ferreira e a sua equipa, que atualmente está na Medialivre, antiga Cofina.

Em março desse ano, anunciou-se a venda da emblemática sede do Diário de Notícias, na Avenida da Liberdade e a sua transferência no final do ano para novos escritórios nas Torres de Lisboa. O valor oficial da venda não é divulgado, mas os meios de comunicação social avançam o valor de 20 milhões. O ano de 2016 termina com um EBITDA de 2,4 milhões de euros,. Mas, apesar do encaixe com a venda do edifício, a empresa continua com prejuízos superiores a quatro milhões e uma dívida aos bancos de 35 milhões de euros.

Novos acionistas

Em março de 2017, talvez pela necessidade de capital decorrente da perda de poder de compra dos angolanos na sequência da quebra do preço do petróleo, é a vez de entrarem novos acionistas no grupo. Desta vez, vindos do Extremo-Oriente. O grupo macaense KNJ Global Holdings, que atua na construção civil e está ligado ao empresário Kevin Ho, identificado na imprensa local como sobrinho de Edmund Ho, conhecido político macaense, que foi chefe do executivo de Macau entre 1999 e 2009, é o novo acionista. Chega através de uma injeção de 15 milhões de euros, ficando com uma quota de 30%.

“A Global Media Group informa que os seus accionistas chegaram a acordo com o empresário de Macau Kevin Ho, nos termos do qual este empresário aportará ao capital da empresa holding do Grupo o montante de 15 milhões de euros, passando o novo investidor a deter 30% do capital social da sociedade. O capital investido no grupo vai ser utilizado, fundamentalmente, em projetos destinados a reforçar a liderança do consórcio no digital e à sua internacionalização especialmente nas geografias onde se fala português e junto das nossas comunidades no estrangeiro”, adianta a empresa.

Em simultâneo, as participações que eram de António Mosquito e de Luís Montez são transferidas para José Pedro Soeiro, empresário e gestor angolano com participação em empresas portuguesas, angolanas e do Reino Unido. Nesta fase, dá-se nova alteração da estrutura acionista através de um aumento de capital, findo o qual fica assim a composição: KNJ, com 30%, J P Soeiro, com 30%, Oliveira, com 20%, e BCP e BES com 10% cada. A comissão executiva é reconduzida, mas entra um novo administrador executivo em representação de Kevin Ho. Paulo Rego, ex-jornalista da LUSA e fundador do jornal bilingue plataforma Macau, é o novo vice-presidente da comissão. Em comunicado, afirma: “Por um lado, a GMG descobriu recentemente a estabilidade económica, por meio da reestruturação financeira bem-sucedida, permitindo que a GMG se concentre no crescimento futuro. Por outro lado, uma migração digital forte, combinada com uma nova ambição em todos os mercados portugueses também contribui para o interesse da operação”.

A KNJ é uma empresa privada de investimentos com sede em Macau, afirma, justificando: “Nós procuramos o lucro e este negócio não é diferente. Esta injeção de capital será utilizada para aumentar o valor de participação. Mas também somos pessoas de Macau e sentimo-nos felizes em contribuir, ajudando a Região Administrativa Especial de Macau a ser conhecida, em todo o mundo, como uma plataforma entre a China e os Países de Língua Portuguesa”. Criava-se, assim, um círculo virtuoso de língua portuguesa agora a valer 55 milhões de euros.

Tempos conturbados

O ano de 2018 é particularmente dinâmico. Além da saída José Carlos Lourenço para a ZAP, operadora da ZON em Angola, logo em abril, avançam investimentos por iniciativa dos sócios chineses, nomeadamente nas áreas de gaming e gambling, como o lançamento de uma plataforma de jogos e apostas online ou o lançamento do projeto de vídeo V, nenhum dos quais com retorno a curto prazo. É também tomada a decisão de tornar o Diário de Notícias um jornal semanal, reforçado com novos suplementos e jornalistas. A CFO, Maria Teresa da Graça sai em setembro, sendo substituída por Guilherme Pinheiro. O alerta da tesouraria é dado no Natal de 2018, quando a empresa se atrasa no pagamento do subsídio aos colaboradores.

Começa outra vez a ouvir falar-se em reestruturação e na entrada para breve de um novo acionista. Ao que parece o círculo virtuoso lusófono não vingou. Se, em 2017, os prejuízos ainda se mantêm nos 4,5 milhões de euros, em 2018 duplicam para 9 milhões. A dívida continua elevada, na casa dos 60 milhões de euros. No final do ano, Paulo Rego, que, para além dos novos negócios tinha assumido a área de operações, em substituição de José Carlos Lourenço, deixa o grupo. Poucos meses mais tarde, já em 2019, antes do final do seu mandato que tinha sido renovado em 2017, é a vez do CEO Victor Ribeiro se ir embora.

De acordo com o semanário Expresso, o Global Media Group estaria à espera de financiamento bancário para avançar com novos despedimentos. A injeção de capital serviria ainda para financiar a mudança da redação do portuense JN do histórico edifício da baixa da cidade invicta, vendido recentemente, para se instalar numa antiga garagem. Segundo a revista Sábado, o imóvel foi vendido a uma sociedade detida por gerentes da KNJ, do empresário macaense Kevin Ho, para aí construir um hotel de luxo.

Finalmente, no último trimestre de 2019, os accionistas KNJ e José Pedro Soeiro adquirem a quota dos bancos no grupo. Não se sabe oficialmente o valor do negócio, mas, segundo o jornal Eco, estes conseguem um desconto superior a 80%. Mais uma vez, é alterada a estrutura acionista, agora com os chineses e José Pedro Soeiro, cada um com cerca de 40% e Oliveira com cerca de 20%.

O Período Galinha

Primeiro, são apenas rumores, depois confirma-se. Em 2020, dá-se a entrada de um novo sócio no grupo. Marco Galinha, um empresário de Alcobaça com interesses em várias áreas das quais se destaca a distribuição e a logística, compra uma participação de 40%, pelo valor de 4 milhões de euros e faz uma injeção de 6 milhões de euros. Galinha é um conhecido self-made man, que fez crescer a pulso o seu grupo Bel e passa a ser conhecido do público português pela sua participação no programa de televisão “Shark tank” ao lado de outros empresários, como Mário Ferreira.

O grupo sofre nova reestruturação, que implica o já antecipado despedimento coletivo de 81 colaboradores, dos quais 17 jornalistas.

São nomeados novos diretores para as principais publicações: Rosália Amorim para o Diário de Notícias e Inês Cardoso para o Jornal de Notícias. Domingos Andrade lidera a TSF, acumulando o cargo com as funções de diretor editorial do grupo.

A redação foi reforçada com a entrada de vários jornalistas: Alexandra Tavares-Teles, Bruno Horta, Isabel Laranjo e Manuel Catarino integram o grupo. A revista Evasões abandona o formato em papel e transforma-se num caderno destacável do DN e do JN. O mesmo acontece com a Notícias Magazine, que acaba no formato de revista e passa a ser suplemento do JN. Pedro Lucas, até então diretor das revistas Men’s Health e Women’s Health Portugal, passa a assumir a coordenação da revista Volta ao Mundo, acumulando a coordenação de todas as revistas do GMG. Ainda no final do ano, o DN é relançado e volta a ter edição diária em papel.

Em fevereiro de 2021, é a vez de ser apresentada uma nova administração com Marco Galinha à frente. Domingos de Andrade e Guilherme Pinheiro ficam como administradores executivos. O elenco de vogais sem funções executivas integra António Manuel Frade Saraiva, João Pedro Alves Ventura Silva Rodrigues, José Pedro Carvalho Reis Soeiro, Kevin King Lun Ho, Philip Manuel Eusébio Yip, Rui Fernando Baptista Moura, Maria Inês Cardoso e Rosália Maria Amorim.

Apesar de todas as mudanças, não se pode dizer que o grupo estivesse finalmente em paz, pois mantinham-se as fortes restrições financeiras e os cortes de despesas. Recorde-se que, a acrescer a todas as restrições existentes, estamos em plena crise pandémica da covid-19. A partir de 15 de maio, o grupo informa que vai aderir ao regime de apoio à retoma progressiva, o que implica a redução do horário de trabalho e cortes efetivos nos ordenados acima de 2 mil euros brutos, bem como outras limitações e benefícios fiscais.

Rapidamente, surge um primeiro sinal de que as coisas podem não estar a correr bem. As diretoras Rosália Amorim e Inês Cardoso demitem-se da administração em solidariedade com os respetivos conselhos de redação, no mês de junho de 2021. Estes insurgem-se contra medidas tomadas por Marco Galinha, como prescindir que todos os cronistas politicamente expostos recebessem pelos artigos de opinião, bem como pelo facto de a administração ter acedido às passwords das páginas de redes sociais dos títulos sem conhecimento prévio da direção.

A cavalgar este descontentamento, inicia-se uma guerra, que ainda hoje subsiste com o Bloco de Esquerda e Mariana Mortágua, que inicia com a acusação feita ao empresário de querer silenciar a líder do BE ao prescindir das suas crónicas remuneradas no JN e continua com acusações do órgão de comunicação oficial do partido, o Esquerda.net, a Galinha, insinuando que as suas ligações familiares à Rússia – Marco Galinha é casado com a filha de um empresário russo radicado em Portugal – não são inocentes.

No entanto, no final do ano, segundo Galinha, o esforço feito parece ter sido recompensado. De acordo com um comunicado do grupo, a administração afirma que o EBITDA voltou a estar positivo em 2021, comparado com um EBITDA negativo de 5 milhões em 2020. Informa que o grupo cresceu em vendas 9% e teve 35 milhões de lucros operacionais.

O ano de 2022 parece regressar com boas notícias no campo das audiências. Logo em janeiro, o grupo volta a ser auditado pelo ranking de audiência digital netAudience da Marktest e consegue números muito positivos. Regressa com entrada direta para a liderança, somando 4 milhões e 427 mil pessoas alcançadas pelas suas plataformas digitais. O Jornal de Notícias fica em primeiro lugar, à frente do Correio da Manhã, na categoria generalistas; o Dinheiro Vivo em segundo lugar, a seguir ao Jornal de Negócios na categoria económicos e a TSF entra também para primeiro do ranking das rádios.

Externa e internamente, a conjuntura complica-se: 2022 é também o ano do início da guerra da Rússia na Ucrânia, do aumento do preço do petróleo, bem como da escalada da inflação. Por isso, a pressão não esmorece. A contestação continua quando é anunciado um programa de rescisões por mútuo acordo. Desta vez, é a comissão sindical que expressa a sua indignação sugerindo que o grupo já está nos limites em termos de recursos humanos. Mesmo o aumento dos salários mais baixos do grupo, não esmorece a contestação. Todas as decisões editoriais tomadas por Galinha e a sua equipa, num ambiente de restrição são sempre altamente contestadas pelos órgãos representativos dos jornalistas e trabalhadores. É o caso da contratação da jornalista Alexandra Borges para o cargo de diretora de grande reportagem, com equipa própria. A decisão de reforçar as participações na distribuidora Vasp também parece não ser pacífica, sugerindo que Marco Galinha tencionava favorecer o seu grupo Bel com a única rede de distribuição de meios de comunicação social nacional. Por fim, o facto de o empresário ser casado com uma russa e viver numa continua troca de acusações públicas e agressivas com Mariana Mortágua – acusações essas que chegaram mesmo aos tribunais – num ambiente de guerra e crispação, não contribuem para a paz social, nem para a paz mediática.

Neste corrupio, 2023 traz mais um sócio para o grupo: António Mendes Ferreira, dono da United Resins, uma indústria exportadora da Figueira da Foz que fica com 10% do capital. Poucos meses depois, é a vez de Marco Galinha liderar uma operação de reestruturação do capital, que é reduzido em 20 milhões de euros, para fazer face a prejuízos acumulados de anos anteriores. Dessa forma, o empresário aumenta a sua participação em mais 1,5 milhões de euros. É agora acionista maioritário da empresa, com 50,2%.

Nos dias quentes do verão do ano passado, começa a soar no mercado que estará para surgir novo investidor, um fundo desconhecido que dá pelo nome de World Opportuny Fund. Segundo o Jornal Económico, o WOP compra 37% da empresa Páginas Civilizadas, o que lhe dá acesso ao controlo do GMG. O valor da venda não foi divulgado. No mês seguinte, o GMG e o Grupo Bel, de Marco Galinha, anunciam a intenção de vender a participação que detêm na agência Lusa. O Estado português é o comprador natural. Em setembro do ano passado, é anunciada uma nova comissão executiva, constituída pelo jornalista João Paulo Fafe, ex-diretor do jornal Tal & Qual, Diogo Agostinho e Filipe Nascimento. A partir daí, a história ainda do GMG está fresca na memória de todos.

[Mensagem reduzida] Ver toda a mensagem

Sobre o autorCristina Dias Neves

Cristina Dias Neves

Mais artigos
Artigos relacionados
Dentsu Creative ganha Bronze e 3 distinções de mérito com The Forgotten Team no The One Show (com vídeo)
Publicidade
FunnyHow cria filme da Betclic que entrega troféu de campeão ao Sporting
Publicidade
Hisense associa-se a Iker Casillas em campanha global
Publicidade
Manuel Geraldes é o novo corresponsável de digital e novos projetos da Media Nove
Media
Louis Vuitton aposta em Rafael Nadal e Roger Federer para campanha fotografada por Annie Leibovitz
Publicidade
Martin Scorsese volta a realizar filme publicitário do Bleu de Chanel 14 anos depois (com vídeo)
Publicidade
Akt reforça equipa com ambição de duplicar faturação
Comunicação
Audiências: Big Brother lidera ranking global de programação
Media
Rosebud assina campanha da Sport Zone que celebra regresso do calor (com vídeos)
Publicidade
Aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas com luz verde da ERC
Media
PUB
Publicidade

Dentsu Creative ganha Bronze e 3 distinções de mérito com The Forgotten Team no The One Show (com vídeo)

O filme publicitário, que homenageia os trabalhadores que perderam a vida durante a construção dos estádios para o Mundial no Catar, em 2022, já tinha sido premiada com Ouro nas categorias Suporte Alternativo, Campanha Multimeios Integrada, Ativações e Patrocínios e Responsabilidade Social, nos Prémios de Marketing M&P’23

A campanha publicitária The Forgotten Team, da Dentsu Creative Portugal para a Amnistia Internacional e com o patrocínio da Meo, ganhou um Lápis de Bronze, na categoria Marketing Direto para o Bem, nos prémios The One Show 2024, bem como três distinções de mérito, nas categorias Marketing de Guerrilha e Não Tradicional, Experiências e Imersão para o Bem e Out-of-Home para o Bem.

O filme publicitário, que homenageia os trabalhadores que perderam a vida durante a construção dos estádios para o campeonato mundial de futebol da FIFA no Catar, em 2022, ganhou, a 17 de abril, Ouro nas categorias Suporte Alternativo, Campanha Multimeios Integrada, Ativações e Patrocínios e Responsabilidade Social, nos Prémios de Marketing M&P’23, quatro prémios que se juntam aos que tem vindo a receber.

Entre os prémios atribuídos encontram-se os trabalhos distinguidos como ‘grandes prémios’ no One Show, o Lápis de Melhor do Evento foi concedido à Marcel Paris com a campanha WoMen’s Football, para a Orange, e o Lápis de Melhor Sem Fins Lucrativos foi atribuído à FCB Chicago com a campanha Banned Book Club, para a Digital Public Library of America.

O One Show inclui também a lista das agências que ganharam mais troféus. No ranking das agências europeias mais premiadas, a Marcel Paris lidera, seguida da Publicis Conseil Paris e da Serviceplan Germany Munich, que é também a agência europeia independente mais premiada nesta edição do One Show.

Entre as agências mundiais mais premiadas do ano, a primeira posição do ranking é ocupada pela FCB New York, seguida pela Rethink Toronto, que também é a agência independente que mais pontos somou com os trabalhos que levou a concurso. Na terceira posição encontra-se a McCann New York.

No que diz respeito às redes de agências com o maior número de prémios no One Show, as três primeiras posições são ocupadas pela FCB Global, Ogilvy Group e McCann Worldgroup, respetivamente. No ranking das holdings de agências mais premiadas, o Interpublic Group lidera, seguido do WPP e do Publicis Groupe.

Os prémios The One Show, criados em 1973, são promovidos pela The One Club for Creativity, organização norte-americana sem fins lucrativos sediada em Nova Iorque, e distinguem trabalhos de publicidade e design de agências, marcas, empresas, organizações não-governamentais e profissionais individuais.

Sobre o autorDaniel Monteiro Rahman

Daniel Monteiro Rahman

Mais artigos
Publicidade

FunnyHow cria filme da Betclic que entrega troféu de campeão ao Sporting

Produzido pela Shot and Cut Films e realizado por Filipe Correia Santos, o novo filme publicitário da campanha Só No Futebol Português da Betclic, com criatividade da FunnyHow, homenageia a trajetória e os adeptos do campeão da Liga Portugal Betclic 2023/24

A campanha Só No Futebol Português, da Betclic, conta com um novo filme publicitário. Idealizado pela FunnyHow, com produção da Shot and Cut Films e realização de Filipe Correia Santos, o anúncio está a ser divulgado em televisão e nas redes sociais da Betclic Portugal. O filme, com direção criativa de Álvaro Silveira e André Leite, revisita vários símbolos e até uma personagem histórica do Sporting CP, homenageando a trajetória e os adeptos do novo campeão da Liga Portugal Betclic 2023/24.

Com redação de André Trabuco, o anúncio tem design de Tiago Coelho e design de movimento de Ana Paiva. Tomás Brice assume a direção de fotografia, apurou também o M&P. Joana Barros é a diretora de produção e Guilherme Chaves o produtor. Pedro Caldeirão é o assistente de realização do vídeo publicitário, que teve Pedro Freitas como operador de áudio e Mariana Beja como diretora de arte.

Ricardo Lourenço assume a edição do filme publicitário, com grafismo de David Vale, graduação de cor de Marco Amaral da Yellow Color e pós-produção de áudio de Miguel Raposo da Estrela de Alcântara. A banda sonora do spot é da autoria dos Bateu Matou, banda formada pelos bateristas Ivo Costa, Quim Albergaria e Riot.

Filmada na Tasquinha do Lagarto, restaurante emblemático para os sportinguistas, em Campolide, o anúncio foi exibido pela primeira vez a 18 de maio, antes da cerimónia de entrega da taça, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, após a vitória do Sporting CP frente ao GD Chaves por 3-0, estreando depois em televisão. Após a gravação da taça, o troféu foi entregue a Nélson Pereira, antigo guarda-redes da equipa campeã e embaixador da Liga Portugal Betclic 2023/24, que também entra no filme.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Publicidade

Hisense associa-se a Iker Casillas em campanha global

O guarda-redes espanhol, que jogou no FC Porto e no Real Madrid CF, é o novo embaixador da marca de eletrodomésticos e eletrónica de consumo, parceira oficial do UEFA Euro 2024, que se realiza na Alemanha. A Culto da Imagem implementou a ativação de apresentação em Lisboa

Iker Casillas, guarda-redes espanhol que jogou no FC Porto e no Real Madrid CF, protagoniza a nova campanha publicitária da Hisense, marca de eletrodomésticos e eletrónica de consumo. O novo embaixador da insígnia junta-se ao futebolista alemão Manuel Neuer para Beyond Glory, a campanha publicitária que a insígnia vai divulgar durante o UEFA Euro 2024 e que contempla várias ativações em estádios, como a que a produtora Culto da Imagem desenvolveu para o evento de apresentação da iniciativa no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Desenvolvida pela equipa criativa da Hisense, a campanha global está a ser implementada localmente em todos os mercados europeus onde a marca asiática está presente, apurou o M&P. Em Portugal, nos próximos dois meses, a marca dinamiza várias ativações em eventos que patrocina. Na Alemanha, país que acolhe o UEFA Euro 2024 entre 24 de junho e 14 de julho, realiza-se a Hisense Beyond Glory Tour, uma exposição itinerante que passará pelas cinco cidades que recebem a competição. Iker Casillas estará presente na ativação que a promove, em Frankfurt.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

Manuel Geraldes é o novo corresponsável de digital e novos projetos da Media Nove

Licenciado em gestão de recursos humanos e pós-graduado em marketing digital, Manuel Geraldes integrou anteriormente a direção comercial da Impresa e da Trust in News. Fica corresponsável pela estratégia digital e gestão de clientes da Media Nove e reforça a equipa comercial, que já contava com Rui Nunes e Filipa Avillez

Manuel Geraldes é o novo corresponsável de digital e novos projetos do Grupo Media Nove, proprietário do Jornal Económico, da Forbes Portugal e da Forbes África Lusófona, bem como do site noticioso Novo. O profissional fica corresponsável pela estratégia digital e gestão de clientes do grupo, a par com Rui Nunes, e reforça a equipa comercial, que conta também com Filipa Avillez (branded content e eventos) e que reporta a José Carlos Lourenço, CEO da Media Nove.

Licenciado em gestão de recursos humanos pela Universidade Lusófona de Lisboa e pós-graduado em marketing digital pelo Instituto Português de Administração de Marketing, Manuel Geraldes começa a carreira em 2001, no Grupo Impresa, onde assume a direção de publicidade, sendo promovido posteriormente a diretor coordenador de publicidade em 2017. Em 2018, integra o grupo Trust in News, como diretor coordenador de publicidade das revistas Exame, Exame Informática e Courrier Internacional, cargo que ocupa até recentemente.

“Podermos juntar pessoas do perfil do Rui, da Filipa e agora do Manuel são bem o reflexo do nosso compromisso com o mercado. Seja em projetos associados às nossas plataformas digitais, ao branded content, aos eventos ou em qualquer combinação desenhada à medida dos nossos parceiros”, afirma José Carlos Lourenço, CEO da Media Nove.

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Louis Vuitton aposta em Rafael Nadal e Roger Federer para campanha fotografada por Annie Leibovitz

As montanhas da cordilheira alpina Dolomitas, em Itália, servem de cenário ao novo capítulo de Core Values, campanha da Louis Vuitton lançada em 2007. As lentes da fotógrafa Annie Leibovitz captaram um passeio de Rafael Nadal e Roger Federer, os novos rostos da marca francesa

Depois de ter juntado dois futebolistas, o argentino Lionel Messi e o português Cristiano Ronaldo, numa partida de xadrez para uma das campanhas publicitárias de 2022, a Louis Vuitton aposta agora em dois tenistas, o espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer, para promover a marca. Os dois desportistas foram captados pela objetiva da fotógrafa norte-americana Annie Leibovitz durante um passeio nas Dolomitas, cordilheira alpina em território italiano.

Algumas viagens tornam-se lendas é a mensagem que inspira o novo capítulo da campanha Core Values, apresentada em 2007. “Passaram 17 anos desde que lancei a primeira versão, com Antoine Arnault. Estou encantado por reviver esta série icónica”, assume Pietro Beccari, presidente e CEO da Louis Vuitton, no comunicado que anuncia a colaboração com Rafael Nadal e Roger Federer. A criatividade da campanha é da Publicis Media.

A ligação da insígnia ao desporto é recorrente. A marca de moda acaba de apresentar a 37ª coleção cápsula náutica Louis Vuitton America’s Cup, desenvolvida a pensar na competição de vela que se realiza em Barcelona, a partir de 22 de agosto. A cidade espanhola também foi o local escolhido para a apresentação da coleção Cruise 2024, a 23 de maio. Assinada por Nicolas Ghesquière, a nova linha marca a estreia do novo monograma da etiqueta, fundada em 1854.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Publicidade

Martin Scorsese volta a realizar filme publicitário do Bleu de Chanel 14 anos depois (com vídeo)

Aos 81 anos, o realizador Martin Scorsese assina o novo filme publicitário para o Bleu de Chanel, protagonizado pelo ator Timothée Chalamet. Em 2010, quando o perfume masculino foi lançado, o cineasta norte-americano também realizou o primeiro anúncio televisivo

Catorze anos depois de ter realizado o primeiro filme publicitário para o perfume Bleu de Chanel, o realizador norte-americano Martin Scorsese volta a colaborar com a marca na nova campanha, protagonizada pelo ator Timothée Chalamet, o rosto global da fragrância masculina. O anúncio explora a ambivalência e as fragilidades que a visibilidade mediática imprimem à vida dos artistas, envolvendo-os num turbilhão que os pode levar a perder a naturalidade e a autenticidade.

“Num mundo onde as luzes brilhantes da fama tendem a cegar-nos para a realidade, Timothée Chalamet retrata um homem que parte numa busca para se encontrar, seguindo apenas o seu próprio instinto, num papel profundamente sincero escrito apenas para o próprio”, explica a Chanel em comunicado. A canção Rockit de Herbie Hancock serve de banda sonora ao filme publicitário de 90 segundos, que, além da televisão e dos media digitais, também está a ter forte divulgação nas redes sociais.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Comunicação

Akt reforça equipa com ambição de duplicar faturação

Catarina Faria, Andreia Costa, Pedro Pereira, Inês Serrão e Tomás Almeida, que venceu recentemente o Young Lions Portugal 2024 e vai representar Portugal em Cannes, são as novas contratações da agência, que também promoveu Joana André e André Fernandes Trindade

A agência criativa Akt, que cresceu 10% em 2023 face ao ano anterior e ambiciona duplicar o volume de faturação em 2024, acaba de reforçar a equipa com a contratação de cinco novos profissionais. Catarina Faria junta-se à empresa, depois de três anos na agência Fullsix, para assumir o cargo de gestora de redes sociais sénior. Andreia Costa, que trabalhou em agências como a WYcreative e a Adagietto, é a nova gestora de contas da agência, fundada em 2019.

A lista de novas contratações inclui ainda Pedro Pereira como redator e Inês Serrão como gestora de redes sociais, além de Tomás Almeida, que venceu recentemente o Young Lions Portugal 2024 e vai representar Portugal em Cannes em junho, como diretor de arte. Com a nova vaga de recrutamento, a Akt passa de nove para catorze colaboradores, apurou o M&P.

A reestruturação em curso leva também a duas alterações na estrutura interna da agência. Joana André, consultora de marketing da Akt, assumiu a direção de serviço a clientes em setembro. André Fernandes Trindade, diretor de arte, designer e ilustrador, foi promovido diretor de design em fevereiro. Santini, Velhotes, Mimosa e André Opticas figuram entre os novos clientes da agência criativa.

“O crescimento do volume de negócio, com clientes que já vinham de anos anteriores e também com novos projetos, que se juntaram a nós este ano, exigiu que apostássemos em novos talentos para nos ajudar a continuar a oferecer soluções diferenciadoras e de qualidade ao mercado. Sentimos a necessidade de encontrar profissionais criativos, inovadores e dedicados, que nos fizessem evoluir”, justifica Francisco Pinto Coelho, fundador e CEO da Akt.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

Audiências: Big Brother lidera ranking global de programação

Nas quotas de audiência da última semana, a TVI mantém a liderança, enquanto a RTP1 e Outros são os únicos canais que registam um aumento, com a SIC, TVI e Cabo a mostrarem a tendência contrária e a perderem quota semanal. O pódio dos canais mais vistos na televisão por cabo regista uma alteração com o canal TVI Reality a subir até ao terceiro lugar, ficando a CMTV e a CNN Portugal nas duas primeiras posições, respetivamente

O consumo global de TV volta ao clima de recuperação na semana de 13 a 19 de maio e aumenta de forma significativa, crescendo cerca de 20 minutos por dia, para as 5h27m diárias.

Nas contas da quota de audiência semanal, a TVI mantém a liderança da semana, enquanto a RTP1 e Outros são os únicos canais que registam aumento de quota, com a SIC, TVI e Cabo a mostrarem a tendência contrária e a perderem quota semanal.

Desta forma, a RTP1 reforça e chega aos 10,7%, ao contrário do que acontece quer com a SIC, que desce até aos 13,8% de quota semanal, quer com a TVI, que decresce também e tem esta semana 16,0% de quota.

O Cabo também desce ligeiramente, ficando nesta semana com 41,2% de quota, Outros (que inclui o visionamento em ‘time shift’, streaming e vídeo/jogos) reforça quota e tem agora 16,7% de quota semanal.

As duas primeiras posições do ranking dos canais mais vistos do cabo continuam a pertencer à CMTV e à CNN Portugal, mas há alterações no lugar que se segue, com o canal TVI Reality a subir até ao terceiro lugar do pódio.

Nas posições seguintes estão a STAR Channel, SIC Notícias, Hollywood, STAR Movies e Globo. Nas últimas posições do Top 10 encontram-se a SIC Mulher e a TVI Ficção.

No pódio da tabela de programação global, há dose tripla do reality show da TVI, com programas de diferentes dias, com Big Brother – Especial na primeira posição, seguido por Big Brother e por Big Brother – O Duelo.

Nas posições restantes estão o programa de humor dos serões de domingo da SIC Isto é Gozar com Quem Trabalha, e ainda a novela da TVI, Cacau.

O programa da CMTV Doa a Quem Doer lidera o ranking dos programas mais vistos no cabo na última semana, seguido dos desportivos Duelo Final / Rio Ave X Benfica e Golos: Primeira Parte/ Rio Ave X Benfica.

Nas posições remanescentes do Top 5 da semana estão os informativos Grande Jornal – Noite e o Jornal 7, mais uma vez com a tabela a ser totalmente ocupada por conteúdos da CMTV.

Data Insights, Havas Media Network

Sobre o autorMeios & Publicidade

Meios & Publicidade

Mais artigos
Publicidade

Rosebud assina campanha da Sport Zone que celebra regresso do calor (com vídeos)

Com planeamento de meios da Zenith, a nova comunicação publicitária da Sport Zone prolonga-se até 30 de junho. Desenvolvida pela agência espanhola Rosebud em parceria com a equipa criativa do retalhista desportivo português, também aposta em marketing de influência

Bom Tempo Pede Desporto é o nome da campanha da Sport Zone que celebra o regresso de calor, incentivando à prática de desporto ao ar livre. Idealizada pela agência espanhola Rosebud, com o desenvolvimento da estratégia local a ser assegurado pela equipa interna do retalhista desportivo, está a ser divulgada em televisão e múpis, com planeamento de meios da Zenith, até 30 de junho. A estratégia de comunicação é assegurada pela DLaundry, agência da Samy Alliance especializada em relações públicas, assessoria estratégica, eventos e gestão de redes sociais.

Além da presença nas lojas da insígnia, fundada em 1997, a campanha integra quatro filmes publicitários, divulgados em televisão até 26 de maio, apurou o M&P. “Com objetivo de reforçar o posicionamento da marca, os spots televisivos contam com duração entre os 10 e os 20 segundos, com voz do ator Tomás Alves. Protagonizam vários momentos de inspiração para a prática de desporto ao ar livre, que incidem em running, fitness e futebol”, explica a Sport Zone.

A duração dos anúncios oscila entre os 10 e os 20 segundos. “Nos spots publicitários de menor duração, o foco é comunicar os produtos das melhores marcas desportivas a preços competitivos”, esclarece ainda a marca em comunicado de imprensa. As carruagens dos comboios que asseguram a ligação entre Lisboa e Sintra e os autocarros que circulam em Lisboa e no Funchal também veiculam a campanha, entre 15 de maio e 23 de junho.

A comunicação nos suportes publicitários exteriores será amplificada nas redes sociais da marca. “A campanha estará também presente nos canais de social media, com uma ativação de marca com influenciadores, denominada Os Desportistas do Bom Tempo”, explica a Sport Zone. Alberto Vasconcelos, Ana Ferreira, Carolina Brazona e Pedro Sturken, com forte presença no Instagram, são os nomes escolhidos para promover a insígnia, apurou também o M&P.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
Media

Aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas com luz verde da ERC

A ERC concluiu que a operação não põe em causa os valores da liberdade de expressão, do pluralismo e da diversidade de opiniões nem impede a livre difusão nem o acesso a conteúdos. Concretização do negócio depende da Autoridade da Concorrência, que ainda não se pronunciou

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) não se opõe à aquisição de marcas editoriais do Global Media Group pela Notícias Ilimitadas. Em reunião extraordinária, no dia 17 de maio, o regulador dos media deu luz verde à operação de concentração, a pedido da Autoridade da Concorrência, que, ao abrigo do artigo 55º do Regime Jurídico da Concorrência, pediu um parecer ao organismo presidido por Helena Sousa.

O documento, a que o M&P teve acesso, também abrange as participações do capital social que o Global Media Group detém na Rádio Notícias – Produção e Publicidade, SA. “O leque de órgãos de comunicação social em causa inclui o Jornal de Notícias, o Jornal de Notícias História, a NTV, o Delas, a Notícias Magazine, o O Jogo, a Volta ao Mundo e a Evasões, bem como as licenças da rádio TSF”, informa a ERC em comunicado.

“O Conselho Regulador da ERC concluiu que a operação projetada não coloca em causa os valores da liberdade de expressão, do pluralismo e da diversidade de opiniões, a par da livre difusão de, e acesso a, conteúdos, cuja tutela incumbe à ERC acautelar”, refere ainda o documento. A Notícias Ilimitadas informou a Autoridade da Concorrência, que ainda não se pronunciou, da intenção de avançar com o negócio no dia 18 de abril.

Sobre o autorLuis Batista Gonçalves

Luis Batista Gonçalves

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 Meios & Publicidade. Todos os direitos reservados.